Viver é conviver e não acostumar-se

Viver é conviver e não acostumar-se
Viver é conviver e não acostumar-se com as pessoas.
A convivência é a grande arte da vida. Aceitar as diferenças e administrar os conflitos sem que isso se torne uma guerra, exige sabedoria. Sem a convivência nos tornamos isolados e sem utilidade, apesar de nos esquecer ou ignorar esta verdade por vezes. Contudo, tudo o que fazemos e somos está à serviço de apenas um objetivo: sermos reconhecidos e amados e para isso temos que viver juntos, conviver. (Crisanne Braga)

Viver é conviver. Temos o dom de nos acostumar com os nossos próprios defeitos e manias. Julgamos até que eles são verdadeiras virtudes – daí nossa reação, interna ou externa, quando alguém ousa nos criticar. Achamos que os outros, sim, é que tem comportamentos insuportáveis; são chatos, desagradáveis e não percebem os aborrecimentos que nos causam. Por que não mudam de comportamento? Por que não se esforçam para serem melhores? Por que temos de suportá-los? 
Conviver em fraternidadeSe tivéssemos a coragem de promover uma grande reunião com todas as pessoas que convivem conosco, e lhes pedíssemos que apontassem nossos defeitos, talvez a reunião terminasse de maneira trágica: riscaríamos esses amigos e conhecidos de nossa agenda. Afinal, onde já se viu dizer aquilo tudo de mim? E eu que pensava que fossem meus amigos!...
Quem somos? O que pensamos ser ou o que os outros pensam de nós? Somos o que pensamos ser; somos o que os outros pensam de nós; mas somos, acima de tudo, o que Deus pensa de nós. Só Ele tem uma visão global a nosso respeito. É o único que nunca se decepciona conosco. É que uma decepção tem como origem determinada expectativa não realizada. Ora, Ele sabe que somos pó, frágeis e fracos. Nós é que nos julgamos muito sábios e santos. Os outros talvez reajam contra nós porque sentem nossos “espinhos”.
Viver é conviver. É mais do que isso: é crescer nos relacionamentos. E cresceremos se nossos relacionamentos forem marcados pelo amor.
Amai-vos uns aos outrosO amor cristão (“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” – Jesus Cristo) não se fundamenta nas virtudes dos outros, em sua bondade, delicadeza ou simpatia. A fonte desse amor é a gratuidade. Somos chamados a amar o próximo não porque ele seja bom; devemos amá-lo para que se torne bom e, acima de tudo, porque é uma imagem e semelhança de Deus. Talvez, em algumas pessoas, essa imagem não esteja muito nítida; poderá, até, estar deformada e feia. Não nos cabe julgar as razões disso e menos direito temos de condená-las. Amar é olhar cada pessoa com o olhar de Jesus Cristo - um olhar que é marcado pela misericórdia e pelo perdão, pelo carinho e pela a capacidade de fazer nosso o sofrimento do outro.  (Dom Murilo S.R. Krieger)

A arte de viver é simplesmente a arte de conviver... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil! (Mario Quintana)

Aquilo a que chamamos felicidade consiste na harmonia e na serenidade, na consciência de uma finalidade, numa orientação positiva, convencida e decidida do espírito, ou seja na paz da alma. (Thomas Mann)

Uma das trágicas coisas que eu percebo na natureza humana é que todos nós tendemos a adiar o viver. Estamos todos sonhando com um mágico jardim de rosas no horizonte, ao invés de desfrutar das rosas que estão florescendo do lado de fora de nossas janelas hoje. (Dale Carnegie)

O amor arranca as máscaras sem as quais temíamos não poder viver e atrás das quais sabemos que somos incapazes de o fazer. (James Baldwin)

Viver é conviver em harmonia

Abraços e muita paz!!!
Viver é conviver e não acostumar-se Viver é conviver e não acostumar-se Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on janeiro 31, 2013 Rating: 5
Nenhum comentário: