Vida e seus impulsos pela metafísica

Vida e impulso metafísico
A vida e seus impulsos que vão muito além da física, seus conceitos entendidos e estudados como fenômenos da metafísica. A palavra Metafísica tem origem no grego e que significa "o que está para além da física". É uma doutrina que busca o conhecimento da essência das coisas e da vida.

A vida como um impulso metafísico
Metafisicamente, a vida é um processo contínuo de relacionamentos. A vida é o estado de atividade incessante comum aos seres organizados.

De um modo geral podemos entender a vida como um impulso metafísico, que está presente em todos os seres, inclusive os que causam sentimentos nobres, como o amor, carinho, compaixão...

Por mais simples que possa parecer, ainda é muito difícil para os cientistas definirem vida com clareza. Muitos filósofos tentam defini-la como um "fenômeno que anima a matéria". A vida é um conceito muito amplo e admite diversas definições. (Wikipédia)

Vida e os sentimentos pela metafísica

Para Aristóteles, a alma está diretamente ligada à vida: "Aquilo que possui alma se distingue daquilo que não possui alma pela vida". Para Aristóteles a metafísica é, simultaneamente, ontologia, filosofia e teologia, na medida em que se ocupa do Ser Supremo dentro da hierarquia dos seres.

Para Platão, a essência universal do homem está no mundo das ideias, ou seja, uma essência metafísica, una e imutável.

Saber o que é vida (ou ter uma ideia mínima) ajuda a compreender os organismos e seus fenômenos, suas causas e efeitos. O que, por sua vez, pode nos ajudar a cuidar da vida e protegê-la, seja em nível individual, familiar, municipal ou global. (Hélio Schwartsman)

O Vocabulário da Vida
Amor ao próximo: É quando o estranho passa a ser amigo que ainda não abraçamos.

Caridade: É quando a gente está com fome, só tem uma bolacha e reparte.

Carinho: É quando a gente não encontra nenhuma palavra para expressar o que sente e fala com as mãos, colocando o fago em caca dedo.

Ciúme: É quando o coração fica apertado porque confia em si mesmo.

Cordialidade: É quando amamos muito uma pessoa e tratamos todo mundo da maneira que o tratamos.

Doutrinação: É quando a gente conserva o espírito colocando o coração em cada palavra.

Entendimento: É quando um velhinho caminha devagar na nossa frente e a gente estando apressado não reclama.

Evolução: É quando a gente está lá na frente e sente vontade de buscar quem ficou para trás.

Fé: É quando a gente diz que vai escalar um Everest e o coração já o considera feito.

Fome: É quando o estômago manda um pedido para a boca e ela silencia.

Inimizade: É quando a gente empurra a linha do afeto para bem distante.

Inveja: É quando a gente ainda não descobriu que pode ser mais e melhor do que o outro.

Lealdade: É quando a gente prefere morrer que trair a quem ama.

Lágrima: É quando o coração pede aos olhos que falem por ele.

Mágoa: É um espinho que a gente coloca no coração e se esquece de retirar.

Maldade: É quando arrancamos as asas do anjo que deveríamos ser.

Mediunidade de Jesus: É quando a gente serve de instrumento em uma comunidade mediúnica e a música tocada parece em Noturno de Chopin.

Obsessor: É quando o espírito adoece, manda embora e compaixão e convida a vingança para morar com ela.

Ódio: É quando plantamos trigo o ano todo e estando os pendões maduros a gente queima tudo em um dia.

Orgulho: é quando a gente é uma formiga e quer convencer os outros de que é um elefante.

Paz: É o prêmio de quem cumpre o dever.

Perdão: é uma alegria que a gente se dá e que pensava que jamais a teria.

Perfume: É quando mesmo de olhos fechados a gente reconhece quem nos faz feliz.

Pessimismo: É quando a gente perde a capacidade de ver em cores.

Preguiça: É quando entra vírus na coragem e ela adoece.

Raiva: É quando colocamos uma muralha no caminho da paz.

Saudade: É estando longe, sentir vontade de voar, e estando perto, querer parar o tempo.

Simplicidade: É o comportamento de quem começa a ser sábio.

Sinceridade: É quando nos expressamos como se o outro estivesse do outro lado do espelho.

Solidão: É quando estamos cercados por pessoas, mas o coração não vê ninguém por perto.

Supérfluo: É quando a nossa sede precisa de um gole de água e a gente pede um rio inteiro.

Ternura: É quando alguém nos olha e os olhos brilham como duas estrelas.

Vaidade: É quando a gente abdica da nossa essência por outra, geralmente pior.
(Luiz Gonzaga Pinheiro)

O carisma é a expressão da alma. Quando a alma fala, sua essência espiritual e divina se manifesta, e a pessoa brilha, conquista, aparece. É nela que reside sua força e poder. Negá-la é preferir a obscuridade. (Zíbia Gasparetto)

Cada vez que você faz uma opção está transformando sua essência em alguma coisa um pouco diferente do que era antes. (C. S. Lewis)

Abraços e muita paz!

Vida e seus impulsos pela metafísica Vida e seus impulsos pela metafísica Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on maio 08, 2016 Rating: 5
Nenhum comentário: