Dramas da vida e as metáforas do peso

Dramas da vida e metáforas dos fardos
Podemos dizer que os dramas do homem moderno estão diretamente relacionados com as metáforas do peso dos fardos da sua vida. Julgamos que nossos fardos são infinitamente mais pesados que a realidade, mais pesado que o dos outros. Neste caso, o nosso drama é limitado aos meios e infinito nos desejos.

Este drama infinito, com peso multiplicado, nos impedirá encontrar uma vida plenamente feliz. Não podemos confundir os fardos necessários da vida com aqueles que sobrecarregamos em nossa mente, tornando-se inevitavelmente em sofrimento desnecessário.

Como cita Mateus: a cada dia basta o seu fardo, sem drama, sem fantasmas e sem sobrecarregar o nosso pensamento, coração e alma com pesos desnecessários. Este drama é uma forma infinita de tortura, um fantasma que só atrapalha o seguir em harmonia, felicidade e paz. (Doando Vida)

Com graça e leveza devemos levar os nossos dias, porque de nada adianta carregar fardos. Somente o fantasma, ou toda a criatura de arte, para existir, deve ter o seu drama, ou seja, um drama do qual seja personagem e pelo qual é personagem. O drama é a razão de ser do personagem; é a sua função vital: necessária para a sua existência. (Luigi Pirandello)

Vida e o drama dos fardos

O drama de uma vida e seu peso
O drama de uma vida pode sempre ser explicado pela metáfora do peso. Dizemos que temos um fardo sobre os ombros. Carregamos esse fardo, que suportamos ou não. Lutamos com ele, perdemos ou ganhamos.

Cada um vive intensamente sua vida, lhe dá um peso que equivale à imagem que fazem de si e as suas expectativas sobre os outros. Cada um se defronta com a leveza quando se despem disso, e suas vidas se tornam então insuportáveis.

O homem, essa criatura que aspira ao equilíbrio, compensa o peso do mal com que lhe partem a espinha, com a massa do seu ódio. (Milan Kundera)

O homem nunca é totalmente feliz, passa a vida inteira lutando por algo que acha que vai fazê-lo feliz. Não consegue e, quando consegue, fica desapontado: ele é um náufrago e chega ao porto de destino sem mastros nem cordames.

Já não interessa mais se ele foi feliz ou infeliz, pois a vida foi sempre apenas o presente, que estava sempre sumindo e agora terminou. (Arthur Schopenhauer)

Costumamos julgar roupas, comportamento, caráter - juízes indefectíveis que somos da vida alheia, mas é um atrevimento nos outorgarmos o direito de reconhecer, apenas pelas aparências, quem sofre e quem está em paz.

A sua felicidade não é a minha, e a minha não é a de ninguém. Não se sabe nunca o que emociona intimamente uma pessoa, a que ela recorre para conquistar serenidade, em quais pensamentos se ampara quando quer descansar do mundo, o quanto de energia coloca no que faz, e no que ela é capaz de desfazer para manter-se sã.

Toda felicidade é construída por emoções secretas. Podem até comentar sobre nós, mas nos capturar, só se permitirmos. (Martha Medeiros)

Enfim, O segredo da felicidade é escolher a comédia e largar o drama. (Zíbia Gasparetto)

A ansiedade é a ferrugem da vida; quando se acrescentam os fardos de amanhã aos de hoje, eles se tornam insuportáveis. (Og Mandino)

Abraços e muita paz!

Dramas da vida e as metáforas do peso Dramas da vida e as metáforas do peso Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on março 08, 2016 Rating: 5
2 comentários:
  1. Concordo que a ansiedade é mesmo a ferrugem da Vida.Como seria bom se o Homem pudesse fazer ter controle absoluto sobre ela. Cabe a cada um trabalhar sua serenidade, sua emoções. Muita Paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, querida amiga Eloiza!!!
      Pois é, querida amiga, temos que aprender a controlar a ansiedade, ela atrapalha bastante a nossa vida. Sim, esta é a responsabilidade de cada um.
      Obrigado querida amiga, fico muito feliz com sua presença e participação, valeu!!!
      Tenha uma ótima e abençoada semana!!!
      Abraços e muita paz!!!

      Excluir