Vida e a instabilidade pela vanidade

Vida e as vãs vontades
As cenas da vida e a instabilidade causada pela vontade vã. O tempo é a forma graças à qual a vanidade das coisas aparece como a sua volubilidade, que reduz a nada todas as nossas satisfações e todas as nossas alegrias, enquanto nos perguntamos com surpresa para onde foram.

Esse próprio nada é portanto o único elemento objetivo do tempo, ou seja, o que lhe responde na essência íntima das coisas, e assim a substância da qual ele é a expressão.

Observei que o carácter de quase todos os homens parece particularmente adaptado a uma certa idade da vida, de modo que nela se apresenta da forma mais proveitosa.

Alguns são jovens amáveis, e depois isso passa, outros, homens enérgicos e ativos, dos quais a idade rouba todos os valores. Muitos apresentam-se mais favoravelmente na velhice, quando são mais indulgentes por serem mais experientes e serenos.

Nossas vidas e as vontades vãs

Tem coisas para serem rapidamente descartadas, esquecidas; e outras coisas para jamais serem esquecidas; a arte da vida é viver prudentemente sabendo identificar a diferença entre as coisas vãs, efêmeras, temporais e as coisas preciosas, valiosas, eternas. (Aimara Schindler)

Vontades vãs e cenas de nossas vidas
As cenas de nossa vida são como imagens em um mosaico tosco; vistas de perto, não produzem efeitos – devem ser vistas à distância para ser possível discernir sua beleza.

Assim, conquistar algo que desejamos significa descobrir quão vazio e inútil este algo é; estamos sempre vivendo na expectativa de coisas melhores, enquanto, ao mesmo tempo, comumente nos arrependemos e desejamos aquilo que pertence ao passado.

Aceitamos o presente como algo que é apenas temporário e o consideramos como um meio para atingir nosso objetivo.

Deste modo, se olharem para trás no fim de suas vidas, a maior parte das pessoas perceberá que viveram-nas ad interim (provisoriamente): ficarão surpresas ao descobrir que aquilo que deixaram passar despercebido e sem proveito era precisamente sua vida – isto é, a vida na expectativa da qual passaram todo o seu tempo.

Novamente, há a insaciabilidade de cada vontade individual; toda vez que é satisfeita um novo desejo é engendrado, e não há fim para seus desejos eternamente insaciáveis.

Isso acontece porque a Vontade, tomada em si mesma, é a soberana de todos os mundos: como tudo lhe pertence, não se satisfaz com uma parcela de qualquer coisa, mas apenas como o todo, o qual, entretanto, é infinito.

Devemos elevar nossa compaixão quando consideramos quão minúscula a Vontade – essa soberana do mundo – torna-se quando toma a forma de um indivíduo; normalmente apenas o que basta para manter o corpo. Por isso o homem é tão miserável.
(Postagem elaborada com textos e pensamentos do filósofo alemão Arthur Schopenhaue)

Por sabedoria entendo a arte de tornar a vida mais agradável e feliz possível.

A glória é tanto mais tardia quanto mais duradoura há de ser, porque todo fruto delicioso amadurece lentamente. (Arthur Schopenhauer)

Abraços e muita paz!

Vida e a instabilidade pela vanidade Vida e a instabilidade pela vanidade Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on fevereiro 17, 2016 Rating: 5
2 comentários:
  1. Valorizar o que é essencial na vida, eterno, construtivo para o "ser"deve ser sempre nossa orientação de Viver. As coisas efêmeras merecem o valor apenas a que se propõe, passageiras... Destas escolhas crescemos em Valores. Quanto mais Esperitualizado mais controlo minhas vontades, minhas atitudes. Muita Paz!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, querida amiga Eloiza!!!
      Pois é, as coisas vãs não nos ajudam em nada, não fazem parte do que é essencial para a vida, não são construtivas e nem eternas. Precisamos valorizar o que realmente tem valor para crescimento e evolução, esta é a nossa riqueza.
      Obrigado querida amiga, fico muito feliz com sua presença e participação, valeu!!!
      Abraços com carinho e muita paz para você também!!!

      Excluir