Vida e o fatalismo da mente nas doenças

Vida e a grande influência do fatalismo
É grande a influência do fatalismo da mente no agravamento das doenças que acometem a vida. Este fatalismo é a concepção de considerar que os acontecimentos da vida são produzidos de modo irrevogável. Segundo Santo Agostinho, não há doente mais incurável do que aquele que não reconhece a sua doença.

Não digam que é vontade de Deus que vocês fiquem numa situação de pobreza, doença, má habitação. Isso contraria sua dignidade de pessoas humanas. Não digam "é Deus quem quer". (João Paulo II)

Não há dificuldade que o amor não vença; doença que o amor não cure; porta que o amor não abra; obstáculo que o amor não transponha; muralha que o amor não derrube; pecado que o amor não redima. (Emmet Fox)

Vida e os pensamentos negativos

Vida e a influência do fatalismo mental

Para Nietzsche, fatalismo é a característica do "pessimismo corajoso" do Superhomem, que é, em substância, uma síntese do pessimismo schopenhaueriano e do optimismo antifatalístico emersoniano do sábio "Destino".

O destino, segundo Nietzsche, propõe ciclicamente as mesmas situações; não sendo assim possível interpretar a vida, se iludindo de poder nela agir, mas é preciso aceitá-la com uma simplicidade infantil. (Wikipédia)

Mas, no caso de doenças e tantos outros acontecimentos, é sabido que a mente tem grande influência no agravamento, na solução, ou na cura. Aqueles que acreditam cegamente "o que será, será" são tão errados quanto os defensores do acaso, pois esquecem-se que existe um grande Deus que está sempre disposto a intervir por nós.

É preciso entendem que existe um Deus Sábio, Santo, Bom e Soberano que tem o controle de todos os detalhes da vida. (Mateus 10:29). Deus é Senhor da Vida e você o responsável por suas escolhas, inclusive sobre a mente, sobre os pensamentos.

O fatalismo não tem em conta a possibilidade de a saúde e a felicidade de uma pessoa depender daquilo que ela faça ou não. Portanto, não havendo lugar para a inteligência ou para a iniciativa e vontade humana.

O ser humano possui o livre-arbítrio, expressão usada para significar a vontade livre de escolha, as decisões livres. O ser humano tem capacidade de discernimento, o que lhe possibilita fazer escolhas voluntárias e independentes de qualquer pressão interna ou externa. (Doando Vida)

Cada doença pertence a um doente.
Cada doente tem uma mente.
Cada mente é um universo infinito.
(Augusto Cury)

Modifique o seu modo de pensar 
Modifique o seu modo de pensar, para que sua saúde se firme e estabeleça.
Para que queixar-se das doenças!

A doença é aumentada pela nossa emissão mental negativa.
Expulse a enfermidade, confiando em sua cura.

Você pode curar-se!
Você está melhorando cada dia mais, sob todos os pontos de vista.

Aprenda a repousar sua mente.
A mente cansada não pode pensar direito.

Repouse a mente, fazendo o exercício da higiene mental, para conquistar cada vez maior energia e vigor.

O cérebro cansado turva o pensamento.
E o pensamento é a maior força criadora que existe sobre a terra.

Repouse o cérebro, para pensar com acerto e alegria.
Você vencerá em toda a linha, se o quiser.

O fatalismo é sempre uma doença do pensamento ou uma fraqueza da vontade. (Paolo Mantegazza)



Abraços e muita paz!

Vida e o fatalismo da mente nas doenças Vida e o fatalismo da mente nas doenças Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on novembro 13, 2015 Rating: 5
Nenhum comentário: