Vida e a dualidade da meia-verdade

Vida e dualidade da meia-verdade
A vida e o mundo da dualidade da meia-verdade, dos provérbios epigramáticos da verdade. A verdade pode ter dois lados distintos e não refletir um total engano. Cada um define a sua verdade da maneira como vê as coisas, como vê o mundo, neste caso, cada um tem a sua própria verdade. A verdade nunca é simples e muitas vezes inverossímil. (Doando Vida)

Vida e o mundo da meia-verdade

A notação de meia-verdade existe em várias culturas, dando origem a vários provérbios epigramáticos. Segundo Leon Tolstoi, o inverossímil em matéria de sentimentos é o sinal mais seguro da verdade.

O propósito ou a consequência de uma meia-verdade é fazer algo que é apenas uma crença parecer ser uma verdade comum, ou uma declaração verídica para representar toda a verdade, ou, eventualmente, levar a uma quase falsa conclusão.

De acordo com a teoria da crença verdadeira justificada no conhecimento, para saber que uma proposição é verdadeira não basta apenas acreditar na relevância da proposição, mas também ter uma boa razão para fazer isso.

A meia verdade engana o destinatário pela apresentação de algo crível e usando isso para fazer com que seja um bom motivo para acreditar que a declaração é verdadeira por inteiro, ou que a declaração representa a verdade completa.

A vida e a meia-verdade

Dificuldade de entender a verdade
Era uma vez um cego de nascença. Nunca tinha visto o sol, e perguntava como era este às pessoas que enxergavam.

Alguém lhe disse: O sol é como uma bandeja de latão. O cego bateu na bandeja de latão e ouviu o som. Depois, quando ouviu um sino, pensou que fosse o sol.

Outra vez, disse-lhe alguém: o sol é como uma vela. O cego apalpou uma vela, e pensou que assim era o formato do sol.

A verdade é mais difícil de descrever que o sol; e quando os homens não a conhecem, são exatamente como o cego.

Ainda que façais o possível para esclarecê-la por meio de comparações e exemplos, ela ficará tão confusa como a comparação da bandeja de latão e da vela. (Su Tungp’o)

A meia-verdade
Relata-se o seguinte incidente envolvendo o profeta Maomé. O profeta e um dos seus companheiros entraram numa cidade para ensinar.

Logo um adepto dos seus ensinamentos aproximou-se e disse:
Meu senhor, não há nada exceto estupidez nesta cidade. Os habitantes são tão obstinados! Ninguém quer aprender nada. Tu não irás converter nenhum desses corações de pedra.
O profeta respondeu bondosamente:
Tu tens razão.

Logo depois, outro membro da comunidade abordou o profeta. Cheio de alegria, ele disse:
Mestre, tu estás numa cidade abençoada. O povo anseia receber o verdadeiro ensinamento, e as pessoas abrem seus corações à tua palavra.
Maomé sorriu bondosamente e novamente disse:
Tu tens razão.

Ó mestre, disse o companheiro de Maomé, tu disseste ao primeiro homem que ele tinha razão, e ao segundo homem, que afirmou o contrário, tu disseste que ele também tinha razão. Pois negro não pode ser branco.

Maomé respondeu:
Cada um vê o mundo do jeito que espera que seja. Por que deveria eu refutar os dois homens? Um deles vê o mal, o outro, o bem.

Tu dirias que um deles vê falsamente? Não são as pessoas aqui e em toda parte boas e más ao mesmo tempo? Nenhum dos dois disse algo equivocado, disseram apenas algo incompleto.

A verdade é como o Sol. Ela permite-nos ver tudo, mas não deixa que a olhemos. (Victor Hugo)

Muitas vezes as coisas que me pareceram verdadeiras quando comecei a concebê-las tornaram-se falsas quando quis colocá-las sobre o papel. (René Descartes)



Abraços e muita paz!

Vida e a dualidade da meia-verdade Vida e a dualidade da meia-verdade Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on outubro 31, 2015 Rating: 5
2 comentários:
  1. Muitas vezes o verdadeiro é momentânio,outras vezes fruto de um coração bom,ou mau... É... realmente são algumas verdades que podemos confirmar..Procuremos sempre a sinceridade,honestidade nas nossas verdades...Lembrando que o Amor é a melhor arma para combater qualquer Mal .Final de Semana repleto de Paz e Alegrias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, querida amiga Eloiza!!!
      Pois é, minha querida amiga, a verdade é fabricada pela própria pessoa, dependendo de suas crenças, julgamentos e frutos do coração. É isso, agir com sinceridade, honestidade e amor sempre auxilia no combate ao mal. Que saibamos sempre escolher o mais justo possível!
      Obrigado, fico muito feliz com sua presença e participação, valeu!!!
      Tenha uma semana repleta de muita paz e alegria!!!
      Abraços e muita luz em seu caminho!!!

      Excluir