Para os que sofrem o mundo é um cárcere

Para os que sofrem o mundo é uma prisão
Para os que sofrem o mundo é considerado um verdadeiro cárcere, uma prisão em um ambiente amaldiçoado. A dor faz parte da vida e é resultado indireto do pecado e de nossos erros. O sofrimento está presente por todos os lados do mundo, tanto os sofrimentos infames como os sofrimentos gloriosos.

Segundo Khalil Gibran, muito do sofrimento é por nossa própria escolha. É a poção amarga com que o médico dentro de você cura o próprio eu doente.

Viver é aprender a ser múltiplo, é compartilhar opostos, é admitir o considerado absurdo, é conviver com antagônicos, é ter amigos apesar de diferentes, é sofrer enquanto outros sorriem, é sorrir enquanto outros sofrem. (koppe)

As pessoas erram muito porque refletem pouco. Sofrem muito porque não administram de um jeito certo as causas que as fazem sofrer. Escolhem errado, vivem errado, amam errado. Tudo porque faltou reflexão. (Padre Fábio de Melo)

Por que sofremos tanto?

A vida insuportável dos que sofrem

Para os que vivem em sofrimento constante o mundo torna-se um cárcere insuportável, uma grande prisão corretiva em que a pena nunca acaba. Geralmente acontece com pessoas que não conseguem se libertar da amargura da dor, vivem em função do sofrimento, perdem a fé e a esperança. Para promover esta liberdade é preciso se iludir menos e viver mais.

O sofrimento sempre acompanha uma inteligência elevada e um coração profundo. Os homens verdadeiramente grandes experimentam uma grande tristeza, acometido de uma melancolia súbita. (Dostoiévski)

Por que sofremos tanto?

Nem sempre dá para saber porque sofremos tanto. A explicação mais próxima que resulte em um leve conforto é que ele, o sofrimento, sempre vem para promover o nosso crescimento.

São tempos de tratamento para alcançarmos maturidade e fé, mas isto não explica tudo e, existencialmente, resolve quase nada.

A grande verdade é que dificilmente entenderemos porque Deus faz algumas coisas que não aceitamos. Mas o único jeito de vencer, superar as crises da vida e da fé, encontrar provisão e abrigo certo, é render-se ao amor que Ele mesmo já nos ofereceu na Eternidade, antes da fundação dos mundos. (Pablo Massolar)

O sofrimento é produto de nossos erros

Se não nos perdoamos por nossos erros, e aos outros pelos sofrimentos que nos infligiram, terminamos debilitados pela culpa.

A alma não consegue crescer sob um cobertor de culpa, porque a culpa é isoladora, enquanto o crescimento é um processo gradual de reconexão com nós mesmos, com outras pessoas, e com um todo maior. (Joan Borysenko)

O sofrimento resulta do pecado

O sofrimento resulta do pecado

O sofrimento resulta do pecado humano, direta ou indiretamente. A ira descontrolada faz com que outros sofram.

Algum sofrimento é o resultado indireto do pecado, porque não vivemos mais no paraíso, mas num ambiente amaldiçoado por causa do pecado.

A conclusão é que o sofrimento acontece porque Deus deu ao homem livre arbítrio e este resolveu pecar.

O sofrimento ajuda os cristãos a ficarem mais fortes. Jó era um homem devoto, mas pela aflição ele "cresceu" e se tornou um servo de Deus mais forte e mais humilde.

Assim como o ouro é purificado ao passar pelo fogo, assim um cristão é purificado e fortalecido quando passa pela aflição (1 Pedro 1:6-9).

O que sai da fornalha é melhor do que o que nela entrou. Esse sofrimento, então, não é porque temos errado, mas porque podemos fazer melhor.

O sofrimento nos ajuda espiritualmente:

1 - Confiança. Paulo aprendeu a confiar mais em Deus por causa das circunstâncias perigosas (2 Coríntios 1:8-9). Experimentar tempos difíceis nos faz mais cônscios de nossa necessidade de Deus e assim desenvolvemos confiança nele, não em nós mesmos.

2 - Humildade. Deus deu a Paulo um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para impedi-lo de se exaltar (2 Coríntios 12:7-9). A arrogância invade sutilmente nossos corações; as aflições ajudam a resistir a esta tentação.

3 - Perspectiva. Deus quer que vivamos como peregrinos aqui, entendendo que o céu é o nosso verdadeiro lar (Colossenses 3:1-4; Filipenses 3:20). Mas quando as coisas vão bem para nós nesta vida, sentimo-nos em casa no mundo e deixamos de almejar estar com o Senhor. As aflições nos ajudam a visar a verdadeira meta.

O sofrimento, a consequência do mal, é um sinal do que seria a vida sem Deus. Dando-nos um vislumbre do tipo de mundo que haveria se Deus estivesse ausente, o sofrimento nos diz que precisamos de Deus. Certamente não queremos estar naquele lugar onde o mal reina soberanamente e onde Deus não está. (Gary Fisher)

O mundo do sofrimento é necessário para que o indivíduo seja obrigado a criar a visão libertadora, porque só assim, abismado na contemplação da beleza, permanecerá calmo e cheio de serenidade. (Nietzsche)

A dor do sofrimento aprisiona

As memórias amargas não podem nos aprisionar. Elas fazem parte da vida - como o sorriso, o por do sol, o instante de oração.

Curioso é que esquecemos rápido nossas alegrias, embora sempre façamos com que o sofrimento dure mais do que o necessário.

A dor é uma ótima desculpa para problemas que não conseguimos resolver, passos que não tivemos coragem de dar, decisões que adiamos.

A dor faz parte da vida - como faz parte a alegria, a fome, e a vontade de sonhar. Não adianta fugir, porque ela termina nos encontrando.

Mas sua única função é nos ensinar algo. Aprendemos suas lições, e isso basta.
Toquemos para frente.

Não vamos nos castigar com memórias amargas. Não vamos sofrer duas vezes, quando podemos sofrer apenas uma. (Paulo Coelho)

O sofrimento nos ajuda espiritualmente

A sabedoria é o melhor guia e a fé, a melhor companheira. Deve-se pois, fugir das trevas da ignorância e também do sofrimento, deve-se procurar a luz da iluminação. (Buda)

Espalhe sempre o amor e a alegria, pois de dor e sofrimento o mundo já está cheio!


Abraços e muita paz!

Para os que sofrem o mundo é um cárcere Para os que sofrem o mundo é um cárcere Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on julho 12, 2015 Rating: 5
Nenhum comentário: