A vida amarga dos vingadores de plantão

Os vingadores de plantão
A vida amarga dos vingadores de plantão não tem um sentido lógico, vivem apenas para retaliar ofensas infundadas, pois é na fraqueza humana que está alicerçada a vingança, só se vinga quem aceita a ofensa e acaba transformando-a em ódio e mágoa, é o reconhecimento da ofensa, mesmo não lhe servindo a carapuça.

Para o ser humano, ou grande parte dele, a dor significa ódio e o ódio significa vingança. Mas também é sabido que da vingança vem o arrependimento e muitas vezes ele chega tardiamente, quando as duas partes já sofreram desnecessariamente, pois a vingança é um prato que se come frio e que acaba deixando um sabor amargo.

O sentimento da vingança é tão agradável, que muitas vezes o homem deseja ser ofendido para se poder vingar, e não falo apenas de um inimigo habitual, mas de uma pessoa indiferente, ou até mesmo, sobretudo em alguns momentos de humor negro, de um amigo. (Giacomo Leopardi)

Sentimento de vingança

A armadilha da vingança

Nós sofremos mais por causa das pessoas do que por causa das circunstâncias. As pessoas nos fazem chorar mais do que as vicissitudes da vida. As pessoas nos decepcionam e nós decepcionamos as pessoas.

O resultado do adoecimento das relações humanas é a mágoa. Esse sentimento de amargura se instala no solo do coração e lança suas raízes trazendo perturbação para a alma e contaminação para os que vivem ao redor.

A mágoa é a ira congelada. A mágoa é o armazenamento do ressentimento. A mágoa é entulhar o coração com rancor, é alimentar-se do absinto do ranço, é afogar-se no lodo do ódio, é viver prisioneiro da armadilha da vingança.

A mágoa é uma prisão. Ela é o cárcere da alma, o calabouço das emoções, a masmorra escura onde seus prisioneiros são atormentados pelos verdugos da consciência. Quem se alimenta da mágoa não tem paz. Não tem liberdade. Não tem alegria. Não conhece o amor.

A mágoa é autodestrutiva. Ferimo-nos a nós mesmo quando nutrimos mágoa por alguém. Guardar mágoa no coração é como beber veneno pensando que o outro é quem vai morrer. Quem guarda mágoa no coração vive amarrado pelas grossas correntes da culpa. Quem vive nessa masmorra adoece emocional, física e espiritualmente.

A chave que abre a porta dessa masmorra é o perdão. O perdão traz cura onde a mágoa gerou doença. O perdão traz reconciliação onde a mágoa gerou afastamento.

O perdão traz alegria, onde a mágoa produziu tristeza e dor. O perdão restitui aquilo que a mágoa saqueou. O perdão é a faxina da mente, a assepsia da alma, a limpeza dos porões do coração.

Perdoar é não retaliar, não vingar. É hora de sair do cárcere que prende a sua alma com as grossas algemas da mágoa. É hora de experimentar a liberdade do perdão. É hora de tomar posse da vida abundante oferecida por Jesus. (Hernandes Dias Lopes)

Vida amarga da vingança

A vingança vem da mágoa

Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam.

Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente.

Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo. Odiar nos dá fios brancos no cabelo, rugas pela face e angústia no peito.

Para odiar, necessitamos do objeto do ódio, necessitamos dele nem que seja para dedicar-lhe nosso rancor, nossa ira, nossa pouca sabedoria para entendê-lo e pouco humor para aturá-lo.

Desafogue-se de mágoas, de desejos de vingança, de pessoas que não permitem que você avance.

Diga não para tudo aquilo que não faz bem pra você, pare de acreditar que as coisas vão mudar por milagre ou por decreto.

Se não mudaram até agora, então deixe as coisas como estão e mude você. (Martha Medeiros)

Não existe nobreza na vingança

Não existe nobreza sem generosidade, assim como não existe sede de vingança sem vulgaridade. (Joseph Roth)

Estar focado em resultados antigos e em cicatrizes, vingar-se e ficar por cima, sempre faz de você menos do que você é. (Malcolm Forbes)

Vingança, ódio e mágoa
Para a maioria dos seres humanos, dor significa ódio, e ódio significa vingança. (P. Mantegazza)


Abraços e muita paz!

A vida amarga dos vingadores de plantão A vida amarga dos vingadores de plantão Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on julho 09, 2015 Rating: 5
Nenhum comentário: