Juízo de Deus

Juízo de Deus
Todos os homens são pecadores e estão sujeitos ao Juízo de Deus. O pecado não é um simples tropeço da livre vontade, ou um erro, ou uma fraqueza momentânea: ele é uma das mais horríveis doenças, que envenenou toda nossa natureza humana. Todo o mal no mundo inteiro provem do pecado: a perda da liberdade moral, a perda da alegria de contato com Deus. Do pecado resultam inúmeras doenças físicas e psíquicas, a propensão ao mal e a pouca vontade de fazer o bem.
O pecado perturbou a harmonia entre as forças físicas e psíquicas, morais, e isso resultou na perturbação da vida familiar e social, resultou na injustiça, na opressão mútua, no embuste, nos crimes, a violência, nas guerras, com as quais vieram a pobreza e a fome... E é exatamente o pecado que é a causa da pior calamidade - a morte, que inevitavelmente destruiu todas as boas e radiantes esperanças do homem! 

Apóstolo Paulo, Amor e Fé em CristoO apóstolo Paulo começa a sua Epístola pela descrição da depravação do homem. Ele prova, que todos são pecadores, sem exceção. Nada podia redimir espiritualmente o homem: nem a voz da consciência, nem a perfeita criação da natureza, que testemunha sobre o Criador, nem a lei escrita, dada a Moisés por Deus, nada, absolutamente nada podia regenerar a humanidade. Todos - tanto gentios como judeus - afundaram nos pecados e, portanto são estranhos à Deus e condenados a perecer.
Realmente, a ira de Deus revela-se do alto do céu contra qualquer impiedade e injustiça dos homens, os quais renegam a verdade pela maldade. Pois, o que se pode conhecer de Deus, a eles foi manifestado, porque Deus, com efeito, manifestou-se a eles. Desde a criação do mundo, a Sua natureza invisível - Seu poder sempiterno e Sua divindade - se fazem visíveis através da contemplação de Sua obra. Por isso, não há escusas para eles. Pois, tendo conhecido a Deus, não O glorificaram como Deus, nem Lhe renderam graças, mas, enredaram-se em seus vãos  raciocínios, e se lhes obscureceu o coração insensato (vangloriaram-se de sua sabedoria e tornaram-se estultos, e substituíram a glória de Deus imortal por um simulacro, simples imagem de homens mortais, de aves, quadrúpedes e répteis), e por isso, Deus os entregou à impureza dos apetites de seus corações, de modo a desonrarem seus próprios corpos. Eles confundiram o verdadeiro Deus com seres falsos, prestando culto e adoração às criaturas, em lugar do Criador, o qual é bendito para sempre, amém! (1:18-25)
Apóstolo Paulo, Deus é JustoComo não fizeram caso do verdadeiro conhecimento de Deus, entregou-os Deus a sentimentos depravados - por isso, estão repletos de toda espécie de injustiça, malícia, cobiça e perversidade; cheios de inveja, homicídio, discórdia, dolo e malignidade; são detratores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de iniquidades, rebeldes aos pais, insensatos e inconstantes, sem amor nem compaixão. (1:26-31)
Deus é justo.
Por isso, é inescusável, ó homem, quem quer que sejas, quando te arvoras em juiz. Julgando a outros, condenas a ti, já que fazes aquilo mesmo que condenas. Pois sabemos que o juízo de Deus, cuja norma é a verdade, fere os que cometem tais coisas. Condenando os que praticam tais coisas, quando procedes da mesma forma, pensas, ó homem, que escaparás do juízo de Deus? Ou desprezas a riqueza de Sua bondade, paciência e longanimidade, desconhecendo que a bondade Divina te incita para a penitência? Com essa dureza e esse coração impenitente acumulas cólera para o dia da ira e revelação da sentença de Deus, o qual retribuirá a cada conforme suas obras: vida eterna aos que buscam, perseverando na prática do bem, a glória, a honra e a imortalidade; ira e indignação, porém, aos que se obstinam no egoísmo, contradizendo a verdade e regulando sua conduta pela injustiça (2:1-8.). 
Apóstolo Paulo, Tribulação e afliçãoTribulação e aflição surpreendem a alma do homem pecador, enquanto glória, honra e paz será a partilha de quem praticar o bem, pois perante Deus não há acepção de pessoas. Os que pecaram sem conhecer a Lei, também perecerão sem ela. Os que pecaram conhecendo a Lei, serão condenados por essa Lei. Porque, diante de Deus passará por justo, não quem sabe a Lei, mas quem a cumpre. (2:9-13).
Levamos, acaso, alguma vantagem? De modo algum! Pois, todos se acham sob o domínio do pecado, como diz a Escritura: "Ninguém, nem sequer um, é justo. Não há, quem seja sensato e procure a Deus com seriedade. Todos se extraviaram e se perderam; não há alguém que faça o bem, nenhum sequer" (Salmo 13:1-3). "Sua garganta é sepulcro aberto; com suas línguas urdem fraudes. Seus lábios ocultam veneno de serpente" (Salmos 5:10; 139:4). "Sua boca está repleta de maldição e amargura" (Salmo 9:28). "Ágeis são seus pés para derramar sangue; ruína e miséria são seus caminhos; ignoram o caminho da paz" (Provérbios 1:16; Isaías 59:7-8). "Não há ante seus olhos o temor de Deus". (Salmo 35:2). Ora, sabemos que tudo, quanto diz a Lei, diz aos que estão sujeitos à Lei, para que se cale toda a boca e que todo mundo se confesse culpado diante de Deus. Porquanto, pela observância da Lei, nenhum homem será justificado diante d’Ele: pela Lei, só vem o conhecimento do pecado (Romanos, 3:9-20).

Jesus Cristo, a única Salvação
Cristo é a única Salvação
Mas agora, sem a Lei, manifestou-se a justiça de Deus, testemunhada pela Lei e pelos profetas, justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo, a todos aqueles que creem; pois, já não há mais distinção: todos pecaram e estão sem a glória de Deus; e estão justificados gratuitamente pela Sua graça, em virtude da redenção realizada em Jesus Cristo: Deus o destinou para ser, pelo seu sangue, vítima de propiciação, mediante a fé, para demonstrar Sua justiça, porque, em Sua longanimidade Ele tolerará os pecados anteriores. Para manifestar, enfim, Sua justiça no tempo presente, como quis mostrar-se justo e justificar que vive da fé em Jesus Cristo. (3:21-26).
Há, portanto, motivo de se ufanar? Nenhum. Em virtude de que Lei? Pela das obras? Não! Mas em virtude da lei da fé! Por isso, concluímos que o homem é justificado pela fé, sem as obras da Lei. Realmente, não há senão um só Deus que justificará todos pela fé. Minamos, pois, a autoridade da Lei pela fé? Não! Antes, a confirmamos! (3:27-31).
(Apóstolo Paulo) Tradução: Tatiana Zyromski

Fé em Deus

Abraços e muita paz!!!

Juízo de Deus Juízo de Deus Reviewed by Luis Eduardo Pirollo on dezembro 01, 2012 Rating: 5
Nenhum comentário: